Doce de Ovos

IMG_7431tbvwm

Diz a história que a doçaria portuguesa tem na doçaria conventual uma expressão única e singular sem igual noutros países do mundo. Criada muitos séculos atrás, dentro das portas dos conventos e mosteiros, acabou pela força do destino e da história por sair para o mundo e estender-se além-fronteiras para se dar a conhecer.

E tudo começou assim…não se sabe bem como nem quando pois é de loucos pensar que as gemas eram deitadas fora ou serviam de alimento para animais até ao dia em que, um não sei o quê aconteceu por um não sei porquê e as gemas se encontraram com o açúcar.

Então é certo dizer que terem-se cruzado foi o melhor que podia ter acontecido para a história da doçaria portuguesa pois deu inicio ao que veio a ser a Doçaria Conventual reconhecida internacionalmente como uma das melhores doçarias do mundo.

Não nos interessa realmente saber quando se deu esse encontro, ele tem séculos de existência, mas suspeita-se que foi no Mosteiro de Jesus de Aveiro onde tudo começou, pois reza a história que aí se deu, em primeira mão, o encontro feliz entre as gemas e o açúcar tendo resultado dele o famoso Doce de Ovos ou Ovos-moles, como quiserem chamar-lhes.

Típico de Aveiro o Doce de Ovos é um dos doces mais apreciados dos país e está na origem de muitos outros que não teriam conhecido a luz do dia sem a sua existência, tal é o caso dos papos de anjo, das castanhas doces, dos celestes de Sta. Clara, dos ovos-moles de Aveiro, das gargantas de freira, das trouxas-de-ovos e dos fios-de-ovos que viajaram para fora das nossas fronteiras e alcançaram reconhecimento internacional.

Nós cá em casa não conseguimos resistir a uma taça de Doce de Ovos, é impossível depois de fazer Molotof não fazer doce de ovos, é impossível não aproveitar para desfrutar desse doce prazer que eles nos dão!

 

RECEITAS

 

 base logo destaque1

  1. fácil de fazer
  2. a textura aveludada e cremosa
  3. o sabor autêntico do doce de ovos feito em casa
  4. a versatilidade

 

Ingredientes: 

  • 8 gemas
  • 335g de açúcar
  • 270ml de água
  • 1 tira de casca de limão

IMG_7448tbvwm

Modo de Preparação: 

Num tacho junte o açúcar com a água e a casca de limão. Leve ao lume e espere que ferva sem nunca mexer.

Quando começar a ferver conte 5 minutos,  desligue o lume, retire a casca do limão e deixe arrefecer.

Quando a calda que esteve a fazer estiver fria, bata as gemas numa tigela e de seguida passe-as por um passador de rede deixando-as cair em fio para dentro da calda mexendo com um garfo para envolver bem.

nota: espere que as gemas caiam todas do passador até parar de correr, mas não lhes mexa para as fazer cair, elas têm que cair sem qualquer intervenção. Desta forma todos os fios das gemas vão ficar no passador.

De seguida leve novamente ao lume o tacho, vá mexendo sempre, e espere até engrossar. Tenha atenção e mantenha o lume brando para não deixar ferver a mistura pois caso contrário vai talhar os ovos. Quando começar a engrossar, continue a mexer, conte mais ou menos 2 minutos para os ovos cozinharem bem e desligue o lume.

Deixe arrefecer 2 a 3 minutos e depois com a ajuda da varinha mágica bata o preparado até este ficar homogéneo e cremoso. O seu Doce de Ovos está pronto a usar!

nota: vai verificar que quando sai do lume o aspecto do Doce de Ovos não é uniforme, por isso é sempre necessário bater com as varras de arame ou com a varinha mágica.

IMG_7433tbvwm

Pode, e deve, servir o Doce de Ovos com Molotof e depois o que sobrar coma como sobremesa ou ao lanche a acompanhar Croissants Brioche, Gaufres, Waffers uns Rollitos de Baunilha ou qualquer outra coisa de que se lembre…

IMG_7437tbvwm

IMG_7438tbvwm

baselogosegredos1

  1. Não se mexe no açúcar quando está ao lume com a água pois se o fizer ele vai criar cristais nas paredes do tacho e queimar o que vai dar mau sabor ao doce.
  2. Quando as gemas estão no passador não se mexe nas mesmas, não se devem nunca pressionar para caírem pois isso faz com que também caiam peles do ovo para o doce que lhe vão dar um cheiro a ovo desagradável. Também não se limpa com a colher o passador por baixo como fazemos noutras situações pois o resultado seria o mesmo, simplesmente se deixa correr o ovo até parar e depois descarta-se o que fica por dentro e por fora do passador.

 

Testámos e gostámos…!

IMG_7435tbvwmstrip

Molotof

IMG_7535tbvwm

Nós e o Molotof temos uma história para contar…uma história de repetições sem fim para encontrar a fórmula certa para conseguir o nosso Molotof de sonho. Seguimos muitas receitas e muitas dicas… cozer em banho-maria ou talvez não? no fim a porta do forno fica aberta ou fechada? deixa-se a arrefecer no forno ou fora dele? enfim uma verdadeira loucura que quase nos levou a dizer não fazemos Molotof e pronto!

Mas um Molotof é demasiado bom para se desistir dele e além disso nós não somos de desistir, ai não somos mesmo, por isso pusemos mãos à obra e repetimos a dose até ao momento X, estava encontrada a fórmula correcta, simples, fácil e eficaz.

Simplesmente maravilhoso o Molotof é leve, suave, macio, fofo…enfim uma textura deliciosa e irresistível que nos deixa sempre com vontade de mais um bocadinho.

O Molotof é uma das nossas sobremesas favoritas, é rápido de fazer, não é demasiado doce e basicamente só leva claras. Se conseguirmos resistir à tentação do Doce de Ovo é uma sobremesa espetacular e sem pecado.

 

RECEITAS

 

base logo destaque1

  1. A textura leve, suave, macia e fofa
  2. O sabor a caramelo

 

Ingredientes: 

  • 8 claras
  • 8 c. (sopa) de açúcar
  • 8 gotas de sumo de limão
  • caramelo líquido q.b.
  • manteiga para untar a forma q.b.

nota: pode fazer o caramelo em casa ou utilizar caramelo líquido de compra

IMG_7536tbvwm

Modo de Preparação: 

Comece por untar bem uma forma de buraco (aprox. 25 cm de diâmetro) com a manteiga.

Bata as claras em castelo até começarem a crescer e a ficarem brancas. Nessa altura, sem parar de bater, junte o limão.

De seguida, continuando sempre a bater, vá juntando o açúcar aos poucos até as claras estarem bem firmes. Isso vê-se quando ao levantar as varetas de bater se formam picos de clara na extremidade das mesmas (a isto chama-se ponto de merengue).

Para terminar, e sempre continuando a bater, junte às claras o caramelo a gosto até obter uma coloração dourada que pode ser mais clara ou mais escura dependendo da quantidade de caramelo que quiser adicionar.

Pegue na forma e, com a ajuda de uma espátula, vá colocando dentro desta as claras aos poucos e alisando-as para ficarem bem acamadas de forma a não criarem bolsas de ar no interior, no final alise cuidadosamente a superfície.

Leve ao forno, pré-aquecido a 170ºC, durante 11,5 minutos. No fim do tempo retire do forno e deixe arrefecer na forma.

nota: não caia na tentação de mexer no forno até ao final do tempo, pode parecer que está a ficar escuro ou queimado e pensar em abrir o forno para ver, não o faça espere até ao final do tempo e depois desligue o forno.

Quando o Molotof estiver totalmente frio desenforme para um prato e coloque no frigorífico até ao momento de servir. Antes de levar para a mesa regue com caramelo e acompanhe com Doce de Ovo.

nota: há quem coloque o Doce de Ovo por cima do Molotof, nós preferimos servi-lo numa molheira e deixar para cada um a responsabilidade de lidar com a sua gula!!

IMG_7549tbvwm

baselogosegredos1

  1. O limão é essencial para estabilizar as claras e lhes dar a densidade que necessitam para ficarem bem firmes.
  2. A forma deve ser de alumínio, pois aquece rapidamente e coze melhor o Molotof. Por outro lado também arrefece muito rápido evitando que o Molotof continue a cozer depois de sair do forno.
  3. O tempo de cozedura deve ser calculado em função do número de claras e contando 1,42 minutos por cada clara.

IMG_7542tbvwm

 

Testámos e gostámos…!

IMG_7547tbvwmstrip

Kalimotxo

IMG_7519tbvwm

Quando questionamos a história de uma receita e procuramos a origem do nome encontramos quase sempre diversas versões e muitas vezes nunca se consegue saber exactamente porque se chama assim, como foi criada, como se popularizou ou como chegou até nós.

A História do Kalimotxo não é diferente, diz-se que apareceu no País Basco e que anda por aí desde 1970 tendo-se tornado um ícone da cultura Basca.

Primeiro chamaram-lhe Rioja Libre e Cuba Libre del Pobre e Kali mas em 1972 parece ter encontrado o seu nome actual e tornou-se uma bebida muito popular, estendeu-se a toda a Espanha, a alguns países da Europa e a outros lugares do mundo…

Hoje é bebida por milhares de pessoas e conhecida por diferentes nomes:

  • Kalimotxo, Kalimocho, Calimocho em Espanha
  • Mochete ou Jote no Chile
  • Catembe ou katemba em Angola, Moçambique e África do Sul
  • Vinhoca no Brasil
  • Vinho Cortado no Uruguai
  • Traçadinho no Algarve
  • Droguinha no Ribatejo

A bebida dos pobres que nasceu e cresceu nas tascas é hoje um verdadeiro cocktail de bar.

Começou por ser feita com vinhos baratos e a coca-cola servia exactamente para disfarçar essa situação. Hoje a realidade já não é bem essa e o Kalimotxo é preparado com vinhos de qualidade.

Existem algumas variações da bebida, podem adicionar-lhe aroma de Ouzo, Anis ou Licor de Amora. Mas o verdadeiro Kalimotxo é hoje um clássico e combina apenas duas bebidas, vinho tinto e coca-cola.

Não fosse pela imaginação de alguma mente brilhante e talvez o Kalimotxo nunca tivesse acontecido!

 

RECEITA

 

 base logo destaque1

  1. uma conjugação surpreendente
  2. uma forma diferente de beber vinho tinto

IMG_7516tbvwm

Ingredientes: 

  • 750ml de vinho tinto
  • 750ml de coca-cola
  • 1 limão em sumo (opcional)
  • limão q.b.
  • gelo q.b.

 

Modo de Preparação: 

Para poucas pessoas pode fazer doses individuais. Leve o vinho a coca-cola e gomos de limão para a mesa e os copos com gelo e meia rodela de  limão. Prepare o Kalimotxo no momento colocando no copo metade de vinho e metade coca-cola. (Como opção pode usar os gomos de limão e colocar um pouco de sumo na bebida)

Se fizer o Kalimotxo para muitas pessoas é mais fácil  utilizar jarros e colocar o vinho tinto, o sumo do limão e a coca-cola.

Sirva a bebida em copos de vidro curtos com bastante gelo e meia rodela de limão.

nota: as bebidas devem estar muito frescas, por isso conserve-as no frigorífico até ao momento de usar.

IMG_7518tbvwm

 

Testámos e gostámos…!

IMG_7513tbvwmstrip

Biscoitos Salgados de Ervas e Alho

IMG_7520tbvwm

O normal quando recebemos amigos é começarmos por beber um aperitivo ou um cocktail enquanto falamos da vida alheia e claro da nossa, descontraindo antes das refeições.

E sim uma bebida cá em casa chega acompanhada de alguma coisa para trincar!

Procuramos coisas simples, para não tirar o apetite para o que chega depois, mas já estamos um pouco cansados, diria mesmo entediados dos cajus, amendoins, amêndoas e das misturas de frutos secos sejam elas exóticas, tropicais ou outras.

As  batatas fritas simples ou com sabores já são um não assunto e os mini brezel e os palitos ou bolachinhas salgadas não trazem nada de novo a não ser demasiado sal e gordura, coisas que não queremos na nossa alimentação.

Fáceis e rápidos de fazer, os Biscoitos Salgados de Ervas e Alho vieram salvar a nossa vida e tornaram-se, cá em casa, os melhores amigos dos aperitivos e cocktails!!

 

RECEITA

 

 base logo destaque1

  1. simples e rápidos de executar
  2. desfazem-se na boca

 

Ingredientes: 

  •  200g de farinha
  • 1 c. (chá) de fermento
  • 1 c. (chá) de sal fino
  • 4 c. (sopa) de ervas aromáticas
  • 2 c. (sopa) de cebola em pó
  • 2 c. (sopa) de alho em pó
  • 75g de manteiga
  • 100ml de leite
  • papel vegetal q.b.

nota: nós geralmente utilizamos uma mistura de ervas aromáticas para saladas da marca Kania do Lidl, mas também já usámos a mistura de ervas para saladas da Margão.

IMG_7521tbvwm

Modo de Preparação: 

Forre um tabuleiro com papel vegetal (com uma película antiaderente para forno ou com um tapete de silicone).

Numa tigela misture a farinha, o fermento, o sal, as ervas, a cebola e o alho em pó.

À parte misture o leite com a manteiga derretida e adicione, em fio, ao preparado anterior envolvendo com uma colher de pau até obter uma massa totalmente uniforme que se despega das paredes da tigela.

Com as mãos, faça bolinhas de massa pequenas (aproximadamente do tamanho de cerejas), disponha-as no tabuleiro e leve ao forno, previamente aquecido a 180ºC, durante 18 minutos ou até verificar que ficam dourados.

Retire do forno e deixe arrefecer, depois sirva para acompanhar um aperitivo ou um cocktail, vai ser sucesso garantido!!

IMG_7525tbvwm

Testámos e gostámos…!

IMG_7521tbvwmstrip

Mexilhões com Molho de Lima

IMG_7462tbvwmOs mexilhões são um petisco a considerar para usar e abusar nas mais diversas situações e principalmente nos tempos de calor em que as coisas frescas apetecem.

E é justamente nos tempos de verão que mais recebemos cá em casa, por isso gostamos sempre de ter alternativas rápidas, fáceis e frescas para preparar uma refeição ou um petisco quando alguém aparece por estes lados trazido pelo desejo de desfrutar do calor do sol, do mar e com vontade de partilhar momentos lúdicos à volta da mesa!

Os Mexilhões com Molho de Lima proporcionam uma entrada agradável ou um belo petisco de fim de tarde e fazem-se num abrir e fechar de olhos.

 

RECEITA

 

base logo destaque1

  1. fácil e rápido
  2. fresco e saboroso
  3. o molho cremoso e levemente acidulado

 

Ingredientes: 

  • 12 mexilhões
  • 3 folhas de louro
  • 2 c. (sopa) de iogurte grego
  • 1 lima
  • 1 c. (sopa) de azeite
  • 1 c. (café) de alho em pó
  • sal q.b.
  • pimenta q.b.
  • 4 pés de salsa

nota: existem várias opções de mexilhão ultracongelado no mercado. O Jumbo tem os Auchan MMM! em concha da Nova Zelândia, 500g custam 5,89€ e também tem os da Gelpeixe em meia concha da Nova Zelândia, 250g custam 4,98€.

IMG_7463tbvwm

Modo de Preparação: 

Num tacho ou numa frigideira coloque um dedo de altura de água com o louro e espere até começar a ferver, nessa altura ponha dentro da frigideira os mexilhões voltados para cima e todos separados sem ficarem uns por cima dos outros (mexilhões ultracongelados em meia concha) depois da água voltar a ferver conte 3 a 4 minutos. e desligue o lume pois estão prontos.

nota: se forem mexilhões em concha inteira coloque-os no recipiente sem preocupações com o posicionamento e depois faça tudo do mesmo modo. Quando os retirar da água vão estar abertos e então terá que remover uma parte da casca e manter a que tem o mexilhão agarrado seguindo daí para a frente os mesmos passos.

Depois retire-os da água com uma escumadeira e coloque-os numa travessa. Com uma faca descole cuidadosamente os mexilhões da casca e deixe-os arrefecer.

Enquanto espera prepare o molho, para isso coloque numa tigela o iogurte grego, a raspa da lima, o sumo de metade da lima, o azeite, o alho em pó, o sal e a pimenta. Mexa muito bem com uma colher para que o molho fique homogéneo.

Para terminar, disponha os mexilhões numa travessa, coloque uma colher de chá bem cheia de molho em cada um e polvilhe com a salsa finamente picada.

Sirva de imediato ou guarde no frigorífico até ao momento de servir.

IMG_7469tbvwm

Testámos e gostámos…!

IMG_7469tbvwmstrip

Mexilhões Mediterrânicos

IMG_6327tbvwm

O Mexilhão é um molusco pertencente à classe dos bivalves, a mesma da ostra ou da amêijoa. Existem dois tipos de espécies, Mytilus edulis existente na costa atlântica da Europa, e Mytilus galloprovincialis existente na região mediterrânica e na costa atlântica portuguesa.

É considerado um alimento altamente nutritivo, devido aos elevados teores em proteína, vitaminas e minerais, que vão desenvolver um papel protector nas doenças cardiovasculares.

O mexilhão é bastante apreciado pelos portugueses na forma de petisco, especialmente na época de verão. No entanto, pode ser utilizado na confecção de pratos mais elaborados, como caldeirada, arroz de marisco, entre outros.

Aqui por casa gostamos de os ter sempre à mão, eles substituem as ameijoas na Carne de Porco à Alentejana, entram na Açorda ou no Arroz de Marisco, ficam bem nas Paelhas e completam as saladas, enfim não paramos de os usar.

Além disso  são uma óptima opção quando queremos preparar uma entrada rápida como é o caso dos Mexilhões Mediterrânicos.

 

RECEITA

 

base logo destaque1

  1. A frescura
  2. O sabor a mar
  3. O molho saboroso

 

Ingredientes: 

  • 12 mexilhões
  • 3 folhas de louro
  • 1 pimento vermelho
  • 1 pimento verde
  • 1 tomate médio
  • 1 cebola pequena
  • 4 pés de coentros
  • 3 c. (sopa) de azeite
  • 1 c. (sopa) de vinagre de maçã
  • 1 c. (sopa) de molho de peixe
  • 1c. café de pimenta preta
  • 1 pitada de sal

nota: existem várias opções de mexilhão ultracongelado no mercado. O Jumbo tem os Auchan MMM! em concha da Nova Zelândia, 500g custam 5,89€ e também tem os da Gelpeixe em meia concha da Nova Zelândia, 250g custam 4,98€.

IMG_6325tbvwm

Modo de Preparação: 

Num tacho ou numa frigideira coloque um dedo de altura de água com o louro e espere até começar a ferver, nessa altura ponha dentro da frigideira os mexilhões voltados para cima e todos separados sem ficarem uns por cima dos outros (mexilhões ultracongelados em meia concha) depois da água voltar a ferver conte 3 a 4 minutos. e desligue o lume pois estão prontos.

nota: se forem mexilhões em concha inteira coloque-os no recipiente sem preocupações com o posicionamento e depois faça tudo do mesmo modo. Quando os retirar da água vão estar abertos e então terá que remover uma parte da casca e manter a que tem o mexilhão agarrado seguindo daí para a frente os mesmos passos.

Depois retire-os da água com uma escumadeira e coloque-os numa travessa. Com uma faca descole cuidadosamente os mexilhões da casca e deixe-os arrefecer.

Nesse meio tempo prepare o molho. Lave e corte os pimentos, separe duas tiras de pimento vermelho e uma de pimento verde e corte-as em cubos muito miudinhos. Coloque numa tigela e reserve.

Lave o tomate, retire-lhe todas as sementes, corte-o também em cubinhos bem pequenos e adicione aos pimentos. Pique a cebola e os coentros finamente e junte ambos aos ingredientes anteriores.

De seguida adicione o azeite, o vinagre, o molho de peixe, a pimenta preta e o sal. Envolva tudo muito bem para que os ingredientes agarrem bem o tempero.

Para terminar, um a um vá levantando os mexilhões e coloque na casca uma colher de chá do molho, depois coloque o mexilhão por cima e ponha mais um pouco de molho à volta de forma a encher bem a casca.

Pode servir de imediato ou guardar no frigorífico para servir posteriormente.

IMG_6331tbvwm

IMG_6339tbvwm

 

Testámos e gostámos…!

IMG_6330tbvwmstrip

Nutrição – Os Mexilhões

IMG_7455tbvwm

O Mexilhão é um alimento que apresenta na sua composição um elevado teor em proteína e um baixo teor em hidratos de carbono e gorduras. É considerado uma boa fonte de ferro e de iodo e rico em vitaminas, especialmente as do complexo B.

Mexilhão

O Consumo de mexilhões apresenta vantagens/ benefícios para a saúde:

  • Alimento pouco calórico, apresentando na constituição proteínas de alto valor biológico.
  • Ação protetora contra o desenvolvimento de doenças cardiovasculares devido à presença de ácidos gordos polinsaturados do tipo ómega-3.

Nota: deve ter atenção ao consumo exagerado deste alimento, pois apresenta na sua composição elevados teores de sódio e iodo, pelo que indivíduos hipertensos ou com patologia tiroideas devem consumir com moderação.

 

Dicas

Supermercado/ Casa:

  • Se comprar os mexilhões frescos, as conchas devem encontrar-se muito bem fechadas.
  • Deve lavar bem com água fria antes de os cozinhar, raspando a casca e retirando todas as “barbas” deixando a concha totalmente limpa.

 

1798367_10204917360117282_2705349250304587316_n

Por Cátia Carvalho da Silva

Nutricionista

IMG_7455tbvwmstrip